26 de abr de 2016

Tá Na Crise? 3 Ideias Que Podem Te Salvar

A crise que nosso País está enfrentando é a mais severa dos últimos 15 anos, são mais de 10 milhões de pessoas desempregadas, até o inicio de março deste ano mais de 100 mil lojas haviam fechado as portas, marcas como C&A, Walmart, Ponto Frio/Casas Bahia e Pão de Açúcar estão diminuindo o quadro de funcionários para não quebrar. Trabalhadores que antes tinha uma função, hoje, acumulam duas ou três funções a mais por conta de colegas que foram demitidos e não tiveram seus postos preenchidos.

Claramente olhar para este cenário e ter alguma esperança se torna muito complicado, porém algumas pessoas têm tomado uma atitude que está fazendo a diferença. Pessoas que sairam do mercado convencional e tornaram-se seus próprios chefes. 

Você irá conferir abaixo algumas dicas que podem fazer a diferença pra você sair da crise:

No ramo de alimentos começamos com a:

1) Food-Bike

É uma opção mais econômica que as tendências de food-trucks, e se comparado ao investimento numa lanchonete os valores são irrisórios. 

O empresário Danilo Tanaka, de 36 anos, largou a estabilidade do emprego em uma editora para virar um pequeno empresário.

“Espero que a ciclovia ajude no negócio, porque, com certeza, o movimento de ciclistas e turistas vai aumentar na região”, afirmou Tanaka, que tem autorização da Prefeitura para ficar em uma calçada na Avenida Paulista, onde está desde dezembro do ano passado. Hoje, ele vende 200 hambúrgueres por dia. O preço dos lanches varia entre R$ 14 e R$ 18. 

2) Franquias de Lava-Jato
Resultado de imagem para franquia lava jato

Não é preciso nem ter um local, com baixo investimento, você pode adquirir uma franquia de lava-rápido e atender o cliente na própria residência. O capital inicial pode custar de R$ 3 mil a R$ 50 mil dependendo da franquia escolhida. O retorno do investimento é calculado a partir de 3 a 6 meses.

3) Delivery Residencial
Resultado de imagem para delivery em casa

O serviço de entregas que dá mais comodidade ao cliente, é outra tendência nacional. Se você tem uma cozinha ampla, um quarto sobrando, é o ideal. Com investimento baixo você pode escolher um nicho de mercado, se especializar e começar a trabalhar. O empreendimento é ideal para bairros residenciais e condomínios. Muitos empreendedores têm escolhido o ramo alimentício: hamburgueres artesanais, pizzas, sushi, temaki e yaksoba são algumas das opções, no ramo de serviço: pet-shop e manutenção de micro vale a pena tentar.  


24 de abr de 2016

Três Anos de Vacas Magras

Governo apresentou, na última sexta-feira (15), planos e metas fiscais para os próximos três anos e os parâmetros macroeconômicos associados. O Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2017 (PLDO-2017) foi enviado ao Congresso Nacional pelos ministros da Fazenda, Nelson Barbosa, e do Planejamento, Valdir Simão.
O ministro Nelson Barbosa declarou que o PLDO 2017 prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) de 2016 tenha uma queda de -3,1%. Porém há uma estimativa de crescimento para 2017, 2018 e 2019. A inflação para este ano deve chegar aos 7,4%, com quedas graduais também para os próximos três anos seguintes.
“Com base nesses parâmetros, o salário mínimo passará de R$ 880,00 em 2016 para R$ 946,00 em 2017, R$ 1.002,70 em 2018 e R$ 1.067,40 em 2019”, anunciou o ministro. Essas são as estimativas iniciais dos parâmetros macroeconômicos. Contudo, esses indicadores poderão ser revisados, lembrou Barbosa.

Ao apresentar os dados, o ministro ressaltou que 2017 terá um orçamento equilibrado. Apesar da apresentação e das especulações para o orçamento, especialistas discordam das projeções do governo. Em matéria publicada no Valor Econômico, Edna Simão e Fábio Pupo observam o seguinte:
- Diante das fortes incertezas e da volatilidade da economia, o governo passou a prever na PLDO-2017 um "cenário de estresse" para a estimativa do PIB e o impacto disso para as receitas para o cumprimento da meta de primário. Nos próximos anos, a  ideia é ampliar o uso dessa metodologia.

Na hipótese de "estresse", a equipe econômica considera que o PIB do país sofrerá uma retração de 0,48% em 2017. Se essa previsão se confirmar e não houver a aprovação do retorno da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), a frustração de receitas poderá chegar a R$ 87 bilhões. O valor é maior até mesmo que o pedido de abatimento de R$ 65 bilhões feito pelo governo na meta do primário do ano que vem.

Em entrevista ao programa Super Manhã da Rádio Jornal, a economista Eloise Góes afirmou: “A queda no PIB foi muito grande e só não foi maior porque o agronegócio sustentou, mas com os cortes no orçamento, não dá pra se ter idéia do que acontecerá no ano que vem”.

Apesar da ameaça de afastamento do cargo da presidente Dilma Rousseff pelo senado federal, a equipe econômica tem “cartas na manga” que podem sair do papel, claro, se o governo quiser estimular a economia. Mas isso deveria acontecer antes de qualquer decisão do congresso.

As opções do governo ficam divididas em quatro áreas, as mais urgentes ficam na área fiscal. Mudança na meta do superávit deste ano, renegociação das dívidas dos Estados e municípios e aprovar um teto para os gastos do governo. Há quem diga que pela situação da receita o governo será obrigado a fazer uma nova retenção até o fim de maio.

Já na área de crédito, o governo conta que os R$ 83 bilhões liberados no início do ano trarão efeitos positivos sobre a economia. Outro objetivo é facilitar a renegociação de dívidas, especialmente de empresas ligadas a infraestrutura. Uma área que está sendo tratada de forma bem delicada é a do aumento dos impostos. A Receita Federal já concluiu estudos para criar faixas adicionais do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) e melhorias na progressão do Imposto de Renda das empresas.

O reitor da Uninassau Janguiê Diniz participou de um debate sobre a crise brasileira na manhã de hoje (19). “Quem gerou essa crise econômica e política, foi um crise anterior, uma crise moral e ética. O Brasil perdeu seu respeito, o Brasil era a sexta economia do mundo e perdemos essa posição. É preciso ensinar as nossas crianças a serem empreendedoras e não a serem sustentadas pelo Estado. 40 ministérios tem que acabar com quase tudo, fora os milhares cargos de confiança. Temos que ter uma reforma constitucional, uma reforma política e educacional” Declarou Janguiê Diniz.

- O País vive de investimentos internos e externos, quando explodiu essa crise ética, moral e política, os investidores fugiram. A gente vê quando o impeachment surge como tema, à bolsa de valores sobe, o dólar cai. Há uma solução para sairmos da crise, mas precisamos mudar nosso País. Tem que acabar com o financiamento de campanha e com esses sugadores do capital nacional. Assim é que acabaremos esta crise. Disse Janguiê.

17 de mar de 2015

Reconhecimento ou Realização?


“Eu sou como uma nota de dois reais. Se alguém que me possui achar que eu não sou útil em nada, ela poderá pensar em várias maneiras de se livrar de mim. Uma dessas maneiras seria me jogando fora. Mesmo se essa pessoa me achar tão desinteressante a esse ponto, ela pode jogar fora, me amassar, me pisar e me deixar para trás. Mas uma hora chegará alguém que precisará de mim e me pegará para si. Então saberá me dar o real valor a que mereço.” Essas palavras foram ditas por um conhecido enquanto filosofava metaforicamente sobre sua vida amorosa que acabara de passar por uma reviravolta.
            Dores de cotovelo à parte, eu quero chamar atenção para esta metáfora voltada para sua vida profissional. Fiquei consideravelmente irritada com uma página de tentativa de engatar um emprego que se frustrou antes mesmo que eu tivesse a chance de mostrar do que sou capaz. Passei dias chateada com isso e com uma opinião inflexível sobre tal fato. Ao esfriar a cabeça resolvi seguir um conselho que eu mesma costumo dar: “Tenha foco nas soluções e não nos problemas.”
 Resolvi olhar com outros olhos.
Se você – assim como eu – tem dificuldades por seu trabalho e seus esforços não serem reconhecidos, reflita um pouco sobre esta frase a seguir antes de continuar a ler.
Já cogitou a possibilidade de que o valor do seu trabalho pode não ter nada a ver com dinheiro?
            Não me entenda errado, não estou falando sobre ignorar piamente as críticas recebidas durante algum processo de construção ou aprendizado, assim como não ter a necessidade de ser recompensado financeiramente por suas conquistas. Muito menos estou te dando uma receita de como receber elogios ou aumentar seu salário. São bons para a auto-estima? Claro! Mas nem todos os elogios são saudáveis.  Arrisco-me a dizer que alguns até são prejudiciais.
            Esse tipo de distinção do que nos acrescenta ou não deve ser instruído desde a formação de nossa personalidade. Qualquer um que acompanhe diariamente o crescimento de uma criança sabe sobre a extrema importância do que é dito em relação as suas capacidades. Não é o caso de exclamar sempre um sonoro: “Que lindo! Parabéns!”. Pois, venhamos e convenhamos, consagrações desse tipo tornam-se vazias ao longo do tempo.  Tenhamos como base um exemplo de duas crianças de famílias distintas: Uma que é elogiada por ser boa em algo e outra que é elogiada por ter conseguido chegar aonde chegou. Quem terá mais garra para enfrentar seus próprios desafios? Ao usar a lógica seria mais viável que esse resultado venha da criança que ouviu: “Você deve ter trabalhado duro nisso. Parabéns!”. Pois essa foi reconhecida por sair de sua zona de conforto. O que é, diga-se de passagem, algo um tanto quanto complicado a se fazer. Mas atenção: A valorização de seu esforço deve ser valorizada, mas não deixe que isso baste. Consiga resultados com ele. Resultados pessoais que te darão prazer em olhar para trás e perceber tudo o que você alcançou com seu próprio esforço. Não se torne dependente de que suas ações sejam enaltecidas para que você se sinta bem. Acredite em si mesmo. Você pode. Persista!
Se ninguém mais quis aquela velha nota de dois reais, amassada e suja pode ser frustrante, mas não é o fim do mundo, pois erros e acertos inevitáveis no caminho do crescimento. Então aguente firme e encare como um recomeço.

Dica de música:

·         Tente Outra Vez – Raul Seixas.

8 de set de 2014

Pátria Amada Brasil


O Brasil há 192 anos se tornava uma república independente. Desvencilhava-se de suas amarras  com Portugal e toda a sua devastadora exploração. Quase 200 anos depois e parece que ainda estamos amarrados. Claro que o Brasil evoluiu muito e com o passar dos anos até se tornou referência em algumas coisas. Mas ainda somos tão atrasados para um país tão grande, e por que isso?

Estamos cansados de ver escândalos em nosso governo, a falta de respeito dos nossos políticos pelo estado. Nós estamos simplesmente deixando o Brasil ir para o brejo, melhor, o Brasil já está no brejo há um bom tempo e precisamos urgentemente tirá-lo de lá.

Por manipulação e claro interesses próprios dos nossos governantes temos uma educação medíocre. Uma educação onde os estudantes não foram feitos para pensar, simplesmente obedecer. Onde a mídia invade nossas casas e diz o que temos que ser e como ser. Não aguentamos mais tanto escárnio e escória, temos um povo guerreiro, temos uma vasta imensidão em nossas terras, temos um dos melhores lugares para se viver e precisamos mudar. Chegou a hora de sairmos da cadeira, do sofá, da internet, chegou a hora de cobrarmos dos nossos governantes a mesma maneira que eles nos cobram impostos.

Se você está insatisfeito com o país que você vive, tenha pelo menos coragem para mudar. Torne o Brasil um país independente.

15 de jul de 2013

O Poder do sorriso

Sorriso: Manifestação de simpatia. Ato ou efeito de sorrir.

É uma definição muito simples pra algo tão poderoso. O sorriso quando bem empregado, tem poder tão grandioso quanto imensurável. O sorriso é um ato tão simples de se praticar que algumas pessoas esquecem fazê-lo.

Sorrir é o melhor remédio. Este é um dito popular que é muito contado aqueles que normalmente estão tristes. Mas a verdade é que realmente o sorriso tem um poder medicinal muito grande.

Estudos comprovam que quando sorrimos nossas conexões neurais trabalham de forma mais rápida e leve, a carga de tensão é reduzida sobre todo o nosso sistema nervoso. O estresse é aliviado ou anulado. O nosso lado criativo ele passa a ser mais ativado, o oxigênio circulará de uma forma muito melhor em todo nosso corpo e claro que isso tudo irá gerar uma carga de alegria e prazer enorme em nossa mente consciente.

Assim como o sorriso gera centenas de benefícios dentro de nosso corpo, o sorriso tem um poder contagiante, ele produz energia que permite que as pessoas se conectem umas as outras de modo que a comunicação interpessoal seja otimizada. É através do sorriso que as portas de nossos corações se abrem para novas amizades, novos amores, é através do sorriso que parcerias podem ser concretizadas e é através do sorriso que podemos trilhar nossa estrada de felicidade.

Então vamos lá, sorria. Afinal não custa nada.

7 de jul de 2013

Você é Produtivo ou Ocupado?

Uma frase extremamente normal no mundo empresarial é “Não tenho tempo para nada!”. Como adepto da democracia, eu sou obrigado dizer que isto está errado! O tempo é um dos poucos recursos que todas as pessoas, digo todas as pessoas no mundo têm, igualmente. Barack Obama, O Papa, Dilma Rouseff, Neymar, Eu e Você. Sim o tempo é igual para todos nós.

Por outro lado, a forma que você aproveita as suas 24 horas, aí sim são outros quinhentos.

Se você está entre as pessoas que “não tem tempo pra nada”, leia abaixo algumas diferenças de postura que te levarão a um rotina muito mais produtiva.


1. Ocupar o tempo X Aproveitar o tempo
Existe uma coisa chamada Lei de Parkinson, que diz que “O trabalho se expande para preencher o tempo disponível para ser concluído”. Ou seja, se você fala pra uma pessoa ocupada “Você tem até tal hora para entregar algo”, essa pessoa dará um jeito de ocupar essas horas, mesmo que o prazo esteja extremamente folgado.

Por outro lado, as pessoas produtivas pensam “Preciso entregar essa tarefa. Vou dar um jeito de aproveitar as horas que tenho e entregar o mais rápido possível”.

Com esses pensamentos diferentes, dificilmente uma pessoa ocupada entregará algo antes do prazo. Em compensação, a pessoa produtiva está sempre pensando em formas de entregar além do esperado.

2. Fazer o que acontece X fazer acontecer
Uma pessoa “ocupada” se distrai muito fácil. Isso acontece porque sem um objetivo claro, qualquer interrupção parece relevante e o que é importante mas não é urgente fica sempre deixado pra depois.

A pessoa produtiva sabe que precisa alcançar um objetivo importante. Tudo que não estiver relacionado com esse objetivo deve ser ignorado até o objetivo seja alcançado.

Faz sentido imaginar um piloto de F1 checando o Facebook a cada 5 minutos durante a corrida? Por que faria pra você?

3. Seguir as regras X criar as regras
Pessoas sem postura produtiva normalmente recebem uma sequência de tarefas e saem executando sem entender muito bem o porquê. Isso tira a motivação e aumenta muito a dificuldade da tarefa.

Em compensação, pessoas produtivas fazem questão de entender exatamente onde precisam chegar. A partir disso, elas conseguem criar seus próprios planos e executá-los de maneira eficiente.

Conclusão: Produza ou descanse, enrolação é desperdício.
Que fique bem claro, trabalhar 37 horas por dia dificilmente é a coisa mais produtiva a se fazer. Assim como qualquer máquina, o corpo humano precisa de manutenção e se você não tiver momentos para descansar, uma hora a máquina quebra.

Por isso, não tem problema algum checar Facebook, tirar um cochilo ou levantar pra tomar uma água, desde que seja num momento em que você esteja conscientemente descansando.

Se você se interessou e quer saber mais, é só clicar aqui.

3 de jul de 2013

O mundo dos negócios é para você?!

O mundo dos negócios não é para os fracos, também não é para quem desiste no primeiro sinal de dificuldade. Não é para quem entra em desespero diante de um resultado negativo. Não é para quem tem medo de arriscar e tão pouco para quem se preocupa demais com que os outros dizem a seu respeito.

O mundo dos negócios não é um conto de fadas. Nem tão pouco um mar de rosas e tão pouco uma aventura hollywoodiana.

O mundo dos negócios não é para qualquer um. Mas é perfeito para quem encara os desafios de frente e sem medo. Para quem aposta nos seus sonhos. Para quem acredita no potencial das suas ideias e para quem batalha, dia após dia, para fazer as coisas darem certo.

O mundo dos negócios é para você? Eu espero que sim.